História de uma Cacheada em Transição Capilar

Tempo de leitura: 4 minutos

Só quem está em transição ou já passou por uma sabe a importância de conhecer alguma História de uma Cacheada em Transição Capilar. Além de inspirar, elas possuem o poder de motivar e dar coragem para o tão sonhado, aguardado e temido BC. Fique agora com a história capilar da Ingrid Ribeiro!

Olá meninas, é bastante significativo poder contar minha história com meu cabelo. Pois quem demorou para se ver como cacheada e se aceitar como tal sabe o quanto isso é valioso, pois na minha transição eu também procurei histórias e depoimentos de outras cacheadas para me inspirar.

O Início…

Para começo de história, minha mãe é branca, loira, cabelo liso e olhos azuis. Meu pai é negro, cabelo crespo e olhos castanho escuro. Nunca me via representada quando era pequena, muito menos dentro da minha família. Pois a parte materna é caucasiana/morena clara e a parte paterna é negra, e todas as mulheres negras alisavam o cabelo. O que não era diferente da minha vontade, desde uns 6 anos, pelo que me recordo.

Então com 11 anos consegui fazer minha primeira progressiva, o que mantive até os 15 anos, foram anos de adaptação, amor e ódio com meu cabelo, pois acreditava que seria uma mágica fazer a progressiva.

Na primeira foto, eu tinha uns 14/15 anos, meu cabelo estava alisado, mas com a raiz pedindo retoque. Quando entrei na faculdade, com 16 anos, eu tinha uma raiz cacheada já, e com tinha aulas de natação e estava vivendo uma função louca de ter que gerenciar as duas texturas. Acabei fazendo o Big Chop, pois nunca tive muito apego a cabelo, sempre pensei “cabelo cresce”, então cortei.

Quando tudo ia bem…

Na segunda foto eu tinha uns 18/19 anos. Foi uma fase que eu me senti muito linda, muito eu, senti que tudo combinava comigo. Até que em 2015 eu quis sair de 1 anos de tintura vermelha para o castanho de novo. Fiz em casa porque a minha cabeleireira da época se recusou a fazer.

Mas aí…

No final desse ano eu fui experimentar a linha certa linha capilar e meus cachos desmancharam todos. Passei mais de meses tratando, fazendo cronograma, tudo o que sabia e tudo o que podia. Até que fui ao salão e me disseram que meu cabelo estava com aspecto de cabelo relaxado, e cabelo que tinha recebido relaxamento que para resolver, era só cortando.

Então me sugeriram a progressiva e eu aceitei, pois não tinha o que aproveitar de cacho, mas com a ideia de que futuramente eu fizesse de novo o big chop. Comecei a alisar em dezembro/2015 até março/2019. Cuidei muito do meu cabelo, pois sempre priorizei um cabelo saudável.

A terceira foto em tirei no final do ano passado. Eu não consegui cortar meu cabelo nesses 3 anos e pouco, e muito por opiniões alheias, principalmente do meu ex.

Tudo mudou quando conheci meu marido, pois ele “olhava”, me “acompanhava” através de uma amiga em comum e viu essas minhas fases, mesmo que de longe. As coisas foram acontecendo e noivamos ano passado; a partir desse momento eu comecei a preparar ele para o meu Big Chop. Mostrava fotos, de como eu ficaria, dizia pra ele que assim que passasse o casamento eu cortaria o cabelo.

O Corte

E eu sempre tive o apoio dele, ele sempre me colocou pra cima. Dizia que eu ficaria linda até careca. Isso me deu um gás enorme. Nos casamos dia 02/março, uma semana depois eu fiz o primeiro corte. Cortei o cabelo no ombro, depois fui ao salão pra acertar. Sim, eu cortei em casa, eu mesma kkkkk.

Aqui na minha região o cabelo longo reina, então é mais difícil de achar uma cabeleireira(o) que concorde com cortar tão curto. Duas semanas depois do primeiro corte eu tirei o resto da progressiva. Eu mesma. Sozinha de novo.

Tive medo das reações das pessoas, mas tive um acolhimento gigantesco. Eu me emocionei muito, meu marido me olhou como se ele tivesse se apaixonando de novo, os olhos dele brilhavam.

Hoje me sinto mais à vontade, mais livre. Meu trabalho em cuidar do meu cabelo não mudou, porque desde que aprendi, sempre cuidei muito do meu cabelo, fazendo cronograma, usando produtos bons, etc. Hoje em dia troquei o secador e a chapinha por um borrifador e uma gelatina ou creme para pentear.  =)

Para mais inspirações e mais História de uma Cacheada em Transição Capilar incríveis, ACESSE AQUI!

E para aprender mais, continue conosco!

Por: Ingrid Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *